Header

Coritiba fervendo: os bastidores da demissão de Sandro Forner

 

A delegação do Coritiba retorna para casa neste domingo (15) em cacos. Derrotado pelo Sampaio Corrêa no sábado (14) na estreia do Campeonato Brasileiro da Série B,o técnico Sandro Forner foi demitido na madrgda, com o auxiliar Tcheco comandando o time na terça-feira (17) contra o Atlético-GO. Após a partida, o ex-treinador alviverde demonstrou desânimo e já tinha deixado aberta uma saída.

A noite foi longa em São Luís do Maranhão. A conversa entre os dirigentes – todo o comando coxa acompanhou a partida no Castelão – e a comissão técnica aconteceu somente no hotel onde o time estava concentrado. Fiel à política de falar menos com os jornalistas, o presidente Samir Namur não deu entrevistas, assim como o diretor de futebol Augusto de Oliveira, um dos mais criticados pela torcida.

Inicialmente, Namur iria esperar a volta para Curitiba – ou pelo menos a manhã deste domingo -, mas a pressão e as críticas pelo péssimo desempenho no Castelão deixaram a situação insustentável. O resultado foi uma nota oficial à 0h35 confirmando a saída do treinador. Tcheco foi avisado que continua e que comanda o time diante do Dragão. Depois, serão dez dias até a terceira rodada da Série B, diante do Criciúma. Até lá, o Coxa terá novo técnico. Se depender de uma ala da diretoria, será Claudinei Oliveira, hoje no Avaí.

Antes

Após a derrota, Sandro Forner falou. Estava decepcionado. “Tentamos de tudo. Mudamos a forma de jogar, buscamos melhorar a marcação, queríamos fazer algo diferente. Mas nosso primeiro tempo foi muito abaixo. Não competimos”, resumiu. “No segundo tempo, até competimos mais, mas não criamos. Levamos o segundo gol, e no final corremos risco de ser até pior. Poderíamos ter perdido de mais”, admitiu.

Parece que o jogo diante do Sampaio Corrêa fez a ficha cair. A sensação era essa diante das reações dos jogadores e de Sandro. “Nós repetimos os erros que vínhamos cometendo. Não atacamos e defendemos mal. Tudo isso acontece há algum tempo”, disparou o goleiro Wilson, que para variar salvou o Coritiba de um vexame histórico. “O que aconteceu aqui me deixa muito preocupado para a sequência da temporada”, completou o agora ex-treinador.

Questionado sobre a real capacidade do elenco, Sandro Forner teve dificuldades em responder. “É uma pergunta interessante, mas não é fácil. Nós vamos ter que contratar mais, o que aconteceu me deixou desapontado. Se quisermos subir, temos que melhorar, e não é pouco”, comentou o técnico alviverde, que admitiu que a pressão sobre ele é cada vez maior. “Estou tentando fazer o melhor. Pode ter certeza que eu quero muito que o time suba, independente de eu estar ou não no clube. E essa é uma decisão que a diretoria tem que tomar”, finalizou, horas antes de ser demitido.

1