Header

Equipe de canal norte-americano fica quatro dias gravando em Itapoá

Uma equipe do canal norte-americano History Channel esteve quatro dias em Santa Catarina gravando uma série sobre fenômenos estranhos que podem estar relacionados a presença de OVNIs (Objetos Voadores não Identificados). As gravações focaram o conhecido “Caso da Estrada Cornelsen”, que liga os municípios de Itapoá (SC) a Guaratuba (PR). Foram entrevistadas testemunhas dos “fenômenos” e integrantes do Grupo de Pesquisa Cientifica e Ufologia de Itapoá.

O History é um canal de televisão por assinatura com sede em Nova York. Distribuída pela HBO em toda a América Latina, sua programação aborda conteúdos históricos e científicos. Recentemente também apresenta temas atuais, como esse que ocorreu em Itapoá em outubro de 2013.

Seres estranhos

O Grupo de Pesquisa Científica e Ufológica de Itapoá investigou, na época, “fenômenos estranhos” que acontecem na estrada Cornelsen. “Uma estranha forma de neblina, luzes que perseguem veículos nos quais também ocorrem panes elétricas, seres estranhos e UFOs permeiam os relatos de quem passa por ali”, relatou na época o grupo de Itapoá, acrescentando que “os fenômenos têm ocorrido na região há pelo menos 15 anos e concentram-se em um trecho de aproximadamente 5 quilômetros, após a divisa do Paraná com Santa Catarina, próximo a ponte sobre o rio Sai-Mirim.

Os membros do GPCUI garantem que ocorreram anomalias magnéticas no local. Os ufólogos também entrevistaram testemunhas, que afirmaram terem presenciado “falhas em sinal de celulares e na sintonia de rádios no mesmo trecho de estrada”. Fabiana Freitas, membro do GPCUI, descreve os estranhos acontecimentos presenciados por duas moradoras de Itapoá que preferiram permanecer anônimas:

– “Em 23 de junho de 2013, por volta das 20h00, elas retornavam de Guaratuba. O deslocamento entre os municípios de Guaratuba a Itapoá leva-se em torno de 30 a 40 minutos em velocidade mediana, por volta de 80 km por hora. Ao passar pela ponte do rio Sai-Mirim o carro apagou incluindo as luzes do veículo. As duas ocupantes puderam notar a Lua cheia que era a única luz a iluminar a estrada completamente escura”.

Cleomar Diesel/ Fonte  Luiz Veríssimo.

1