Início Cidadania

Cerca de 60 mil paranaenses precisam atualizar Cadastro Único para não perder benefício social

Quase 60 mil pessoas idosas ou com deficiência podem ficar sem receber o Benefício de Prestação Continuada a partir de janeiro do ano que vem. São beneficiários que ainda não estão inscritos ou que não atualizaram os dados no Cadastro Único para Programas Sociais nos últimos 48 meses. O prazo final para evitar que o benefício seja bloqueado ou suspenso encerra no dia 31 de dezembro deste ano. E mesmo quem já tem o cadastro deve atualizar os dados a cada dois anos ou sempre que houver modificação na família, como alteração na composição familiar ou mudança de endereço.

Em julho deste ano, havia 205 mil e 908 pessoas idosas e pessoas com deficiência recebendo o Benefício. Desse total, 72% tem Cadastro Único e 56 mil e 728 ainda precisam fazer a inscrição no banco de dados. A maioria dos beneficiários é de pessoas com deficiência e os demais são pessoas idosas.

Segundo a superintendente de assistência social da Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social, Alzenir de Fátima Sizanoski, é fundamental que os municípios estejam comprometidos em orientar a população sobre o prazo para o cadastro, e fazer a busca ativa das pessoas que têm direito ao benefício.

Para atualizar o cadastro, é preciso comparecer a um dos 569 Centros de Referência de Assistência Social do Estado. Caso o beneficiário tenha dificuldade para deslocamento, o procedimento pode ser feito pelo responsável familiar. Os documentos necessários são o CPF e o título de eleitor. A regularização do cadastro permite o acesso a outros programas socioassistenciais, como o Família Paranaense, Luz Fraterna e Tarifa Social.

Quando o Cadastro Único deixa de ser atualizado em um período de cinco anos, é excluído. O Benefício de Prestação Continuada concede um salário mínimo mensal para pessoas com mais de 65 anos ou com deficiência de qualquer idade que comprovem incapacidade para trabalhar e se manterem independentes. Para requerer o benefício, a renda per capita da família não pode ultrapassar 238 reais.

ANP