Início Litoral

Defesa Civil de Garuva divulga relatório sobre danos provocados pelas chuvas

Foto: Rede social

A Defesa Civil de Garuva divulgou um relatório contendo informações a respeito das chuvas que atingiram o município nos últimos dias. De acordo com o Coordenador da Defesa Civil do município Márcio Kuchlik, entre os dias 01 e 11 de fevereiro de 2020, Garuva registrou o recorde de chuva em todo o estado. Foram 716,4mm registrados. O esperado para todo o mês de fevereiro era de 271mm e a média de precipitação anual é de 2100mm de acordo com o CPRM – Serviço Geológico do Brasil. A Defesa Civil tem monitorado as regiões mais afetadas, dando suporte necessário à população atingida, juntamente com equipes da Prefeitura.

No dia 5 de fevereiro de 2020, o Prefeito Rodrigo Adriany David decretou situação de emergência no município, devido as fortes chuvas que ocorreram a partir da tarde do dia 04 de fevereiro. Na ocasião, foi registrado 174mm em 4 horas, de acordo com o Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil de Santa Catarina. As fortes precipitações ocasionaram inundações de edificações e vias públicas, alagamentos e erosões em residências devido ao rompimento de tubulações. Para pronta resposta à população, o Poder Público Municipal abriu abrigo público, que permanece a disposição da população para casos de necessidade.

De acordo com o relatório da Defesa Civil, diversos alagamentos a residência geraram perdas com mobílias, eletrodomésticos e danos em revestimentos das edificações. Escolas e Unidades de Saúde também tiveram registro de transtorno e danos causados. A grande maioria dos problemas encontrados foram registrados devido a casas abaixo do nível da rua, sem drenagem interna ou com bueiros obstruídos devido a quantidade de lixo. A Defesa Civil alertou para a necessidade de algumas casas possuírem sistema de escoamento interno, já que em grande parte dos casos a água ficava dentro do terreno do morador, sem ter para onde a água escoar. Foram realizadas três interdições, sendo um galpão de festas em uma igreja no bairro Três Barras, uma residência e um comércio na região central. Ocorrências também foram registradas no bairro Palmital devido a proximidade com a maré.

No total, 15 pessoas ficaram desalojadas e foram abrigadas em casas de parentes e uma família solicitou aluguel social. Foram disponibilizados para as famílias, 132 kits de higiene pessoal, 46 kits de limpeza, 25 kits de acomodação de solteiro, 28 kits de acomodação de casal, 14 colchões de solteiro, 16 colchões de casal.

Desde então, todos os órgãos municipais foram mobilizados para atuarem nas ações de resposta ao desastre, reabilitação do cenário e reconstrução. Também foram realizadas campanhas de arrecadação de recursos. Com a situação de emergência, os agentes da Defesa Civil ficaram autorizados a penetrar nas casas para prestar socorro em caso de risco iminente e determinar a pronta evacuação. A Prefeitura de Garuva assinou ainda, o GRAC – Grupo de Resposta e Ações Coordenadas, visando auxiliar as famílias em situação de risco.

Diversos rios da região ficaram com o nível superior e gerando alerta para a Defesa Civil. Os locais em situação de risco continuam sendo observados considerando que ainda há riscos de deslizamentos em diversos locais. Na segunda-feira, dia 10 de fevereiro, Prefeito e comitiva garuvense foram a Brasília em busca de recursos. Na capital federal, tiveram audiência com o Secretário Nacional de Defesa Civil, Coronel Alexandre Lucas Alves. Durante o encontro, apresentaram ao Secretário os prejuízos causados pelas chuvas nas estradas do município com apresentação de relatório técnico pelo Engenheiro do município Iolando de Assis. O pedido foi avalizado pelo Deputado Federal Carlos Chiodini que esteve presente na reunião.