Início Litoral Escrivão da Polícia Civil é preso suspeito de atrapalhar investigação sobre golpe...

Escrivão da Polícia Civil é preso suspeito de atrapalhar investigação sobre golpe de falso aluguel de imóveis

92

Um escrivão da Polícia Civil foi preso, em Curitiba, suspeito de atrapalhar as investigações que prenderam uma mulher suspeita de aplicar golpe com falso aluguel de imóveis no litoral do Paraná.

De acordo com a polícia, a prisão do policial foi feita pela Divisão de Combate à Corrupção (DCCO), na quinta-feira (21). Ele responde pelos crimes de corrupção e violação de sigilo. A Corregedoria-Geral da Policia Civil acompanhou a ação.

A Polícia Civil informou que, assim que a equipe percebeu que algo estava errado nas investigações, iniciou a apuração mais profunda, chegando até a participação do servidor público.

Investigação

Segundo as investigações, o policial se aproximou da família da suspeita de estelionato para repassar informações da investigação do falso aluguel, o que atrapalhou o andamento dos trabalhos policiais. O mandado de prisão do policial foi expedido pela Justiça de Guaratuba.

A Polícia Civil ressaltou que o escrivão preso chegou a intimar o filho da suspeita duas vezes, de forma não oficial, para ser ouvido na delegacia. Ele usou um aplicativo de mensagens para fazer a intimação, sem expedir a intimação pelo sistema.

Conforme apontado pela investigação, o servidor fez isso para tentar despistar a polícia.

Filho da suspeita agredido por vítimas do golpe

Segundo a polícia, o filho da suspeita de estelionato foi encaminhado à delegacia, depois de ser agredido por vítimas do golpe aplicado pela mãe dele. Os agressores conseguiram chegar até ele, na esperança de conseguir recuperar o dinheiro.

Enquanto fazia a oitiva do filho da suspeita, o policial consultava o mandado de prisão da mãe, que estava em aberto. Isso levantou suspeitas contra o servidor.

Em nota, a Corregedoria da Polícia Civil disse que um procedimento administrativo disciplinar foi instaurado para apurar o comportamento do servidor público, em paralelo ao inquérito criminal e ressaltou que não compactua com desvios de conduta.

“Caso fique comprovada a prática dos crimes, o policial estará sujeito a pena de demissão do cargo”, diz a nota

Fonte: G1